NOOSFERA
  

VOCÊ ESCOLHE: ELE É HIPÓCRITA, É SAFADO, É PRECONCEITUOSO, OU TODAS AS ANTERIORES?

 

 

FHC: POBRE NO PODER "ACHA QUE É OUTRA COISA"

 

Via: Terra Brasil, 06 de abril de 2006

 

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez uma crítica velada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante entrevista gravada ontem ao Programa do Jô, da Globo. "Você não deve mudar o seu jeitão quando chega ao poder. Pobre quando chega lá em cima acha que é outra coisa", disse FHC, de acordo com o jornal o O Globo. A assessoria do ex-presidente nega que ele tenha dito esta frase.

Sobre a afinidade ideológica que existiria entre o socialismo petista e a social-democracia tucana, o ex-presidente afirmou que as tentativas de aproximação foram inviabilizadas e que hoje o PSDB "não quer se misturar".

Nossa Caixa


Depois de gravar o programa, Fernando Henrique falou sobre as investigações envolvendo o banco Nossa Caixa e o governo de Geraldo Alckmin. De acordo com O Globo, FHC afirmou que é pior tapar o sol com a peneira. Fernando Henrique disse que a apuração já está sendo feita pelo Ministério Público e poderá ser feita também pela Assembléia Legislativa paulista. Fernando Henrique disse que não se pode misturar as acusações contra Alckmin com as denúncias contra o PT. O caso da Nossa Caixa, segundo o ex-presidente, já está praticamente resolvido. "Essa é uma denúncia que pega uma pessoa. Não se trata de uma organização, de um partido", comparou, referindo-se diretamente às denúncias de mensalão que envolvem o governo Lula.

 

Nota: Lamentável! Esse cara já está em estado avançado de senilidade; aliás – me engano, ele sempre foi assim. Hipócrita, preconceituoso, elitista e safado.



Escrito por NOOS às 11h59
[] [envie esta mensagem]


 
  

OS TUCANOS CONTRA LULA – CONTINUAÇÃO...

 

QUESTÃO DE ORDEM – Agência Carta Maior – 31/03/2006


UMA SUCESSÃO TUMULTUADA

Nessa fase de formação das candidaturas, tem havido de tudo. Os tucanos, no afã de ampliar e consolidar suas alianças, prometem o paraíso a seus aliados possíveis. Mas, em política, o pecado maior não é a falsa promessa, mas a boa-fé em tê-la como válida. O Sr. Itamar Franco não toca no assunto, mas o Sr. Barbosa Lima Sobrinho que, no limiar dos cem anos, permanecia arguto observador, afirmava a seus amigos saber que Fernando Henrique, para garantir o apoio do então presidente, na fase de escolha de candidatos presidenciais, prometeu-lhe fazê-lo candidato à sucessão em 1998. Outro testemunho, neste sentido, foi o do jornalista João Emílio Falcão, em confidência a este colunista. Quando a glória deu ao grão tucano o manto de pavão, Fernando Henrique achou que ninguém podia a ele suceder, senão ele mesmo.

Prevendo as dificuldades em vencer Lula, a oposição usará todas as armas possíveis. No interior, os partidários do presidente devem acautelar-se contra os atos habituais de provocação. Nas grandes cidades corremos o risco de confronto entre manifestantes do PSDB de um lado e de defensores do atual governo, do outro. Nessa hora, é bom que, de um lado e de outro, haja pessoas de bom-senso.

Estamos construindo, com todas as dificuldades, o estado democrático, e qualquer retrocesso, para um lado ou outro do espectro político, será danoso. O país – e é sempre bom dizer – anseia por um governo de centro. Salvador de Madariaga, grande pensador espanhol, dizia que a República malograra em seu país porque malograra o centro político. Quer queiram, ou não, o governo Lula tem sido um governo de centro, enquanto o de Fernando Henrique foi – em termos de ação e resultados – um governo neo-conservador, distanciado do centro pelo lado direito.


OS ÊXITOS ECONÔMICOS

Embora a política econômica tenha continuado monetarista, os seus resultados foram muito mais efetivos do que no passado. Lula conseguiu reduzir a velocidade do endividamento interno, saldou grande parte dos compromissos externos, quitou as dívidas tucanas com o FMI e com o Clube de Paris e conseguiu, nestes três anos anteriores, saldos comerciais de quase cem bilhões de dólares. Os sacrifícios do povo foram quase os mesmos, mas conseguimos mais autonomia diante dos credores internacionais. Se o resultado do PIB continua pífio, podemos lembrar que não foi melhor na média dos oito anos de Fernando Henrique, que só puderam ser comparados aos anos loucos do encilhamento, e da conseqüente “austeridade” recessiva de Joaquim Murtinho, no início de nossa vida republicana.

Será difícil aos tucanos convencer os empresários de bom senso que é melhor voltar aos tempos privatizantes de Fernando Henrique. Já se anuncia que o Sr. Luis Carlos Mendonça de Barros prepara um plano de governo que privatizará totalmente a Petrobras (a fim de evitar a sua associação com a Pedevesa, da Venezuela), completará a privatização das empresas de energia elétrica (o que se impediu graças à reação viril de Itamar em Minas) e retornará aos “bons tempos” em que ele e os meninos de ouro do Banco Central sabiam administrar com êxito os seus rendosos negócios privados, sem deixar a gestão da economia pública.

________________

Mauro Santayana é colunista político do Jornal do Brasil, diário de que foi correspondente na Europa (1968 a 1973). Foi redator-secretário da Ultima Hora (1959), e trabalhou nos principais jornais brasileiros, entre eles, a Folha de S. Paulo (1976-82), de que foi colunista político e correspondente na Península Ibérica e na África do Norte.



Escrito por NOOS às 15h45
[] [envie esta mensagem]


 
  

AVISO AOS GOLPISTAS DE PLANTÃO!!!

 

OS TUCANOS CONTRA LULA

 

QUESTÃO DE ORDEM – Agência Carta Maior – 31/03/2006

 

Quem imagina, como os tucanos da OAB, obter o impeachment do presidente, que se prepare para confrontar-se com a reação dos trabalhadores. Lula pode ter todos os defeitos que lhe atribuem. Se os tiver, não estará sendo diferente de muitos de seus antecessores. A diferença é que ele não é do grupo dos que sempre mandaram no Brasil.

 

BRASÍLIA - Joaquim Cardozo, o grande calculista de Niemeyer e excelente poeta, começa um de seus poemas com a fantasia de que se haviam reunido, em congresso, todos os ventos do mundo. Era o engenheiro, ser construído para lutar contra os elementos naturais – sobretudo o vento – que se assustava com a previsível tragédia de uma convenção que juntasse o euro e o siroco, o minuano, os ventos atlânticos e os tufões caribenhos.

Começam a reunir-se, nesta sexta-feira, dia de desincompatibilização, todos os irrequietos e imprevisíveis ciclones políticos. O ministro Palocci, que começou a escorregar ainda em Ribeirão Preto ao escolher mafiosos de subúrbio como auxiliares diretos, caiu na fossa da desgraça por motivos de rasteira futilidade. Deu à oposição mais pólvora para o ataque ao governo. Enfim, está caindo pelos pecados menores, e não pela sua obediência automática aos recados do Império, repassados com fidelidade pelo Sr. Henrique Meirelles.

O caseiro Francenildo descobrirá, dentro de pouco tempo, que está sendo usado pelos tucanos que – como é de praxe nesses casos – irão deixá-lo na calçada, quando ele lhes deixar de ser útil. Os homens mais experientes não sabem como se sentir mais penalizados diante do caso do rapaz piauiense, cujo nascimento acidentado, em uma sociedade hipócrita como a nossa, já era um fardo a carregar: se com a sua situação social, ou com o festival de cinismo com que o exaltam nestes dias.

Nestes dias, é claro, o rapaz se sente como uma celebridade nacional, como celebridades foram, um dia, o motorista e a secretária, no caso Collor. Mas é constrangedor ver homens que normalmente não lhe dirigiriam a palavra, senão de cima para baixo, saudá-lo como o grande herói nacional, e usá-lo, como o usaram os tucanos da OAB, como garoto propaganda de um ridículo movimento de impeachment contra o presidente da República.

Se esses senhores meditassem o que ocorreu há 42 anos, exatamente naquela véspera de 1º de abril, seriam menos afoitos. É possível que estejam jogando com os grã-finos e alienados que se reúnem hoje no Instituto Millenium e no movimento “Queremos mais Brasil”, que pretendem reeditar o que houve em 1964. Mas se esquecem de que a história pode repetir-se como farsa (de acordo com Marx) ou rodando para trás.

Quem imagina obter o impeachment do presidente, assim sem mais nem menos, que se prepare para confrontar-se a uma reação poderosa dos trabalhadores. Lula pode ter todos os defeitos que lhe atribuem, e alguns mais. Se os tiver, não estará sendo muito diferente de muitos de seus antecessores. A diferença é que ele não é do grupo dos que sempre mandaram no Brasil.

E não contem com os quartéis. É mais fácil, na situação nacional de hoje, encontrar militares com a consciência de que o inimigo deixou de estar no Sul, para vir do Norte, do que aqueles que, enganados pelas circunstâncias, aplaudiram a teoria das fronteiras ideológicas. Os que estão enfrentando as dificuldades da selva amazônica, e preocupados na vastidão das fronteiras ocidentais do Brasil, sabem muito bem que as fronteiras são físicas, concretas, que devem ser rigorosamente fechadas contra os aventureiros.

Continua...

Escrito por NOOS às 15h43
[] [envie esta mensagem]


 
  

GERALDO ‘CHOQUE DE MORALIDADE’ ALCKMIN – 1

 

Nossa Caixa gastou R$ 1 mi em álbum sobre São Paulo

 

Por: FREDERICO VASCONCELOS - DA REPORTAGEM LOCAL

A Nossa Caixa gastou cerca de R$ 1 milhão para produzir um álbum comemorativo dos 450 anos de São Paulo, em 2004, e R$ 1,6 milhão para campanha e anúncios em rádio e TV associando o banco ao aniversário da cidade.


Esses gastos são questionados nos autos da investigação sobre publicidade e patrocínios da Nossa Caixa, no Ministério Público. Há dúvidas sobre compatibilidade dos preços, aprovação do projeto e autorização das despesas.


O projeto envolveu a produção de um álbum com o trabalho de 45 dos melhores fotógrafos brasileiros. Vindos de vários Estados, eles foram convidados para fotografar a cidade em 24 horas no dia do aniversário de São Paulo.


Hospedados em um hotel da capital, com todas as despesas pagas, eles receberam, segundo os organizadores, "cachê simbólico". O projeto incluiu um seminário com historiadores e uma exposição permanente de fotos.


No depoimento à comissão de sindicância da Nossa Caixa, em julho do ano passado, o ex-gerente de marketing Jaime de Castro Júnior disse que os "grandes patrocínios" do banco -como o Projeto SP-450- "eram todos coordenados" por Roger Ferreira, então assessor da presidência da Nossa Caixa, na gestão de Valdery Frota de Albuquerque, em 2003.


Há, nos autos, a autorização do gerente de marketing para a criação da logomarca do Projeto-450, no valor de apenas R$ 22,5 mil. Castro Júnior diz que o projeto completo foi desenvolvido por ordem expressa de Ferreira.


O jornalista assessorou a presidência do banco antes de assumir a assessoria especial de Comunicação do governo Geraldo Alckmin. Ferreira foi exonerado, a pedido, no último dia 27, depois da reportagem da Folha revelando o direcionamento de recursos da Nossa Caixa para veículos indicados ou mantidos por deputados estaduais da base aliada.


Entre 88 e 93, Ferreira trabalhou na Folha como repórter e redator. Foi colunista político do jornal "Folha da Tarde", entre 93 e 95.


Castro Júnior disse que o Projeto SP-450 "foi aprovado em reunião da diretoria executiva, em evento na cidade de Embu" e que "não houve a participação das agências de propaganda".


O livro de fotografias sobre São Paulo foi encomendado à Divulgadora Bueno & Bueno, do Rio Grande do Sul, dos irmãos Fernando e Eduardo Bueno. Eles são sócios na "Buenas Idéias", firma que também prestara serviços à Caixa Econômica Federal, na gestão de Valdery, quando Roger Ferreira chefiava a assessoria de comunicação do órgão federal.


"O convite foi feito diretamente a mim por Valdery Albuquerque, então presidente Nossa Caixa. Eu o havia conhecido quando fiz o livro sobre a outra Caixa, a Federal", diz Eduardo Bueno.


Castro Júnior disse à comissão de sindicância que, depois da aprovação do projeto, em Embu, "passou a racionalizar e negociar as fases do projeto diretamente com a empresa contratada, conseguindo modificar e reduzir vários custos". Segundo ele, inicialmente previsto para custar R$ 1,5 milhão, o custo final ficou em R$ 800 mil. O banco informou que o preço final ficou em R$ 917 mil.


Nos documentos no Ministério Público, o Projeto-450 é um dos itens nas despesas enquadradas como "irregulares": ou seja, pagamento de valores sem autorização da autoridade competente.


Foram analisados 278 protocolos, no total de R$ 25,3 milhões. Os auditores do banco não teriam encontrado nos arquivos do departamento de marketing "expedientes" que totalizam R$ 5,1 milhões, entre os quais o projeto do aniversário de São Paulo.


Relatório nos autos registra que, no caso dos anúncios de rádio e TV e da campanha dos 450 anos de São Paulo, "não existe memorando autorizando as despesas".

 

 

Via: Folha Brasil (UOL) – Quarta-feira, 05 de abril de 2006

Ouvindo: With You There To Help Me, Jethro Tull.



Escrito por NOOS às 14h55
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 04/03/2007 a 10/03/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 26/11/2006 a 02/12/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 06/08/2006 a 12/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 23/07/2006 a 29/07/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 09/07/2006 a 15/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 21/05/2006 a 27/05/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 30/04/2006 a 06/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 26/03/2006 a 01/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005



OUTROS SITES
 Cozinha Experimental
 Hipopótamo Zeno
 Sampa.Org
 O Escriba
 Lusofolia
 Caros Amigos
 Carta Capital
 Observatório da Imprensa
 Novae
 A Rede
 Rede Saci
 Amigos do Presidente Lula
 Picolé da Ki-Ruim
 ForumID
 NOOSFERA ANTIGO
 Saravá Club
 Cápsula da Cultura
 Musicoteca
 Violão Velho
 Vinil Velho
 Rock'n'roll
 Opus 666
 Música do Bem
 Mercado de Pulgas
 Loud
 Feijão tropeiro
 Brazilian Nuggets
 Acesso Raro
 8 Days In April
 Porque dinheiro não é tudo
 .:: Oxelfer Blog News ::.
 360 graus
 Gambrinus MP3




 

 

 TecnoBlog.net - Tops Blogs